EFELisboa

Portugal registou esta terça-feira uma ligeira subida no número de hospitalizados em enfermaria e cuidados intensivos, que se encontram em máximos de março, enquanto se prepara para começar a vacinar os menores de idade em meados de agosto.

Segundo o último relatório da Direção-Geral da Saúde (DGS), nas últimas 24 horas foram notificados 2.316 novos contágios e seis mortes por coronavírus.

Os contágios estão ligeiramente abaixo do dado do passado dia 20, quando chegaram a 2.706.

Os hospitais voltaram a registar uma nova subida, com 928 pessoas internadas com o vírus, mais 9 que esta segunda, 200 das quais estão nos cuidados intensivos (mais duas). São valores máximos desde o mês de março, quando Portugal começou a abrir após um confinamento geral de dois meses.

Portugal soma 956.985 contágios e 17.307 falecidos desde o começo da pandemia.

A incidência a 14 dias por 100.000 habitantes está em 427,5 casos, segundo o dado mais recente, atualizado na segunda-feira, quando também se revelou que o R(t), que mede o número de pessoas que cada infetado contagia, se encontra em 1,04.

O país está a preparar-se para vacinar os menores de idade, tendo previsto começar no fim de semana de 14 e 15 de agosto com os jovens de 16 e 17 anos, segundo confirmou o coordenador da vacinação, o vice-almirante Henrique Gouveia e Melo, durante a reunião realizada esta terça-feira entre o Governo português e os especialistas para analisar a situação da pandemia.

Os dois fins de semana seguintes estão previstos para a vacinação dos adolescentes entre 12 e 15 anos, embora esta faixa etária esteja ainda pendente da autorização das autoridades sanitárias.

Portugal tem já 51,4% da população do país com o calendário completo, percentagem que sobe para 66,8% caso se inclui os que receberam pelo menos a primeira dose.

A previsão é chegar a 70% com a primeira dose no dia 8 de agosto, segundo Gouveia e Melo.

Esta quinta-feira está programado um conselho de ministros no qual o Governo vai rever as medidas para fazer frente à pandemia.

Atualmente é exigido o certificado digital para aceder a hotéis e alojamentos turísticos em todo o país e ao interior de restaurantes durante a noite de sexta-feira e em todo o fim de semana nos 116 municípios com maior risco, entre os quais Lisboa e Porto.

Nestas localidades está também em vigor um recolher obrigatório desde as 23h00 até às 05h00.