EFELisboa

Portugal chegou esta segunda-feira aos 44.129 positivos por COVID-19, com 232 contagiados nas últimas 24 horas, 84% (195) dos quais correspondem à região de Lisboa e Vale do Tejo.

Segundo informou hoje a Direção Geral da Saúde (DGS) de Portugal, no último dia faleceram mais seis pessoas por coronavírus, elevando o total para 1.620 mortos pela pandemia.

Desde finais de maio que a situação mais preocupante em Portugal é a de Lisboa, que representa uma média de cerca de três quartos dos novos casos, embora nos últimos dias "haja uma certa estabilidade com uma tendência descendente" nesta área, disse hoje o Secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, numa conferência de imprensa.

Mesmo assim, apelou à "cautela", pois há uma "grande preocupação" com os surtos na área metropolitana de Lisboa.

Desde 1 de julho, dezanove freguesias de um total de 118 na área metropolitana de Lisboa passaram novamente a estar em situação de calamidade e com regras mais restritivas do que o resto do país.

Estas regras, em vigor pelo menos até 14 de julho, incluem um "dever geral de recolhimento", segundo o qual só se deve sair de casa para atividades essenciais, tais como trabalhar ou comprar alimentos.

As outras freguesias da área metropolitana de Lisboa encontram-se num "estado de contingência" -um passo abaixo da calamidade, com algumas restrições- e o resto do país entrou num "estado de alerta" ainda mais suave, com medidas de distanciamento e proteção que não alteram substancialmente a vida diária.