EFELisboa

Portugal ultrapassou esta terça-feira os 4.000 mortos por coronavírus depois de registar nas últimas 24 horas 85 falecimentos, enquanto as hospitalizações, tanto totais como em cuidados intensivos, chegaram a níveis máximos de toda a pandemia.

Segundo o relatório da Direção Geral da Saúde (DGS), faleceram no país desde março 4.056 pessoas com coronavírus, 85 nas últimas 24 horas, o segundo maios número de toda a pandemia (depois das 91 mortes de 16 de novembro).

Além disso, foram notificados 3.919 contágios desde segunda-feira, o que eleva o balanço total de casos a 268.721, com aproximadamente 80.000 atualmente ativos.

A pressão sobre os hospitais continua a aumentar: o número total de internados chegou a um novo máximo de 3.275 pacientes, 506 dos quais estão nos cuidados intensivos, também um recorde de toda a pandemia.

A zona mais afetada de Portugal continua a ser a região norte, que esta terça acumulou 58% dos novos positivos, enquanto Lisboa e Vale do Tejo registou 26% dos contagiados do último dia.

Os especialistas calculam que Portugal irá chegar ao pico de casos da segunda vaga a finais de novembro -com cerca de 7.000 contágios diários- e o de mortes na segunda semana de dezembro, com uma média de quase uma centena de óbitos por dia.