EFELisboa

O presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, anunciou hoje que não irá propor uma nova renovação do estado de emergência, o nível de alerta máximo do país, pelo que a medida vai ser levantada no dia 1 de maio.

"Decidi não renovar o estado de emergência", disse o chefe de Estado em comunicação ao país, na qual explicou que tomou a decisão após ouvir os especialistas, o Governo e os partidos que compõem o Parlamento.

O estado de emergência, em vigor desde novembro e até 30 de abril, deve ser proposto pelo presidente, aprovado pela Assembleia da República e renovado a cada 15 dias, nos termos da Constituição Portuguesa.

Rebelo de Sousa explicou que na sua decisão teve em consideração “a estabilização e mesmo diminuição do número médio de óbitos e internados em enfermaria e nos cuidados intensivos, a redução do Rt (índice de transmissão) e a estabilização do número de infetados".

O presidente destacou ainda o esforço nos testes e o avanço da vacinação, e agradeceu aos portugueses por “um ano e dois meses de corajosa e disciplinada resistência”.

Mesmo assim, alertou que não hesitará em avançar novamente com outro estado de emergência se a situação assim o exigir.