EFELisboa

O primeiro-ministro de Portugal, António Costa, assegurou esta quarta-feira que a "primeira lei do clima", que abrange o objetivo da neutralidade carbónica para 2050, será aprovada durante a presidência portuguesa da UE.

Durante a presidência em Lisboa de uma futura linha circular para o metro da capital portuguesa, Costa recordou que Portugal, em 2016, foi "o primeiro país do mundo" a assumir a meta de alcançar a neutralidade carbónica para 2050, compromisso depois assumido pela UE.

A "batalha" de acabar com as emissões de CO2 "ganha-se ou perde-se nas cidades", afirmou António Costa, já que 75% das emissões de dióxido de carbono são emitidas nas cidades, pelo que defendeu "melhorar a eficiência energética dos edifícios".

O primeiro-ministro também explicou que para alcançar essa neutralidade é necessário investimento em transporte público, com o fim de favorecer a "mobilidade sustentável" nas cidades.

"É fundamental olhar para o futuro com convicção e certeza" para o objetivo de condicionar uma mudança de paradigma no modo de vida que acabe com as emissões.

A Comissão Europeia (CE) apresentou a 28 de novembro de 2018 a sua visão estratégica a longo prazo para uma economia próspera, moderna, competitiva e neutra desde o ponto de vista do clima até ao ano 2050.