EFELisboa

A Repsol vai investir 657 milhões de euros em duas fábricas de polímeros no complexo de Sines, o maior porto da costa atlântica portuguesa, numa operação que representa o maior investimento industrial feito em Portugal numa década.

"A indústria e a tecnologia são duas alavancas essenciais para a competitividade e economia de um país", disse hoje o presidente da Repsol, António Brufau, na presença do primeiro-ministro português, o socialista António Costa, durante a assinatura do acordo, que também contou com o diretor-executivo da companhia petrolífera, Josu Jon Imaz.

Localizadas junto ao porto de Sines -número 98 no mundo em termos de movimentação de contentores- as novas instalações farão deste Complexo Industrial da Repsol "um dos mais avançados da Europa devido à sua flexibilidade, elevado grau de integração e competitividade".

Uma das fábricas irá produzir polietileno linear (PEL) e outra polipropileno (PP), cada uma com uma capacidade de 300.000 toneladas por ano.

Serão as primeiras do seu tipo na Península Ibérica, estarão operacionais a partir de 2025 e produzirão materiais para setores como o agroalimentar, farmacêutico ou a indústria automóvel.

Os seus produtos serão totalmente recicláveis e poderão ser utilizados para aplicações altamente especializadas e alinhadas com a transição energética.

O complexo "vai-se tornar numa referência europeia e os materiais avançados que irá produzir desempenharão um papel importante na descarbonização da sociedade", disse Imaz.

O investimento foi classificado pelo Governo português como de Potencial Interesse Nacional (PIN) e conta com incentivos fiscais no valor de 63 milhões de euros.

O primeiro-ministro português sublinhou a importância desta iniciativa para reduzir a dependência da Europa em relação a terceiros para a produção de bens e componentes essenciais.

Durante a fase de construção, o projecto irá gerar uma média de 550 postos de trabalho, com um valor máximo de 1.000 pessoas.

O investimento foi concebido de acordo com o objetivo da Repsol de ser uma empresa de zero emissões até 2050 e está alinhado com o Acordo de Paris.

A Repsol tem sido um dos maiores investidores estrangeiros em Portugal nos últimos anos, o que lhe permitiu consolidar a sua posição num país onde emprega diretamente 1.300 pessoas, conta com 150.000 clientes diários e uma quota de mercado que passa dos 20% em algumas das suas atividades.

A empresa concebeu um Plano Estratégico que prevê um investimento global de 19,300 milhões de euros entre 2021 e 2025 para continuar a evoluir na sua área industrial.