EFELisboa

O ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal, Augusto Santos Silva, considerou hoje que o chamado "sofagate", como é conhecido o incidente diplomático que deixou a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, num segundo plano na sua visita a Ancara, foi um episódio "lamentável" que deve ser ultrapassado.

"Faço minhas as palavras do presidente (do Conselho Europeu) Charles Michel quando disse que pedia desculpas, que tinha sido um erro lamentável, que até dormia mal por isso. Compreendo essa reação porque foi um episódio lamentável", disse hoje numa entrevista com a Efe.

O ministro qualificou assim o incidente ocorrido durante uma visita oficial de Von der Leyen e Michel a Ancara, onde a alemã ficou sem cadeira e relegada a um segundo plano enquanto o seu colega europeu parecia alheio ao que se passava.

Perguntado sobre o que teria feito na situação de Michel, Santos Silva foi contundente: "Acho que todos compreenderiam que um português, instintivamente ou por razões de cultura, de costume e de tradição, se levantaria se visse uma mulher em pé".

Contudo, o ministro ressaltou que o episódio "pode e deve ser ultrapassado".

"Todos cometemos erros e, quando os cometemos, os assumimos e tomamos as decisões necessárias para que os erros não se repitam", considerou Santos Silva, convencido de que não vale a pena "estar a pôr sal na ferida" e que é preciso "seguir em frente".

O ministro dos Negócios Estrangeiros recordou que o plano de ação para o Pilar Europeu dos Direitos Sociais que será abordado esta semana na Cimeira Social do Porto tem, como uma das "medidas essenciais", "reduzir, pelo menos a metade, a diferença que hoje existe entre salários de homens e mulheres".

"Não é a única medida, mas é uma das várias que temos que tomar para que a igualdade de género seja uma realidade na Europa, mais do que é hoje, e para que a igualdade de direitos de homens e mulheres seja reconhecida por todos em todas as circunstâncias", disse.