EFESeia (Portugal)

O Parque Natural Serra da Estrela, que abriga a única estação de esqui de Portugal, aspira tornar-se em referência ambiental da Península Ibérica para crescer como destino turístico, explicou à Efe Carlos Camelo, presidente da Comunidade Intermunicipal Beiras e Serra da Estrela.

Camelo, que preside uma entidade que engloba 15 comarcas da região Centro e é também autarca de Seia, apontou que o objetivo é apostar pela questão ambiental como um novo conceito de futuro para estabelecer "uma nova relação entre o homem e a natureza".

Para alcançá-lo, lembrou, em 2017 nasceu a Rede de Municípios para a Adaptação às Alterações Climáticas, que vai realizar um congresso em Seia no próximo ano com presença de especialistas internacionais.

A proposta turística da Serra da Estrela vai além do atrativo que a sua estação de esqui representa, procurando visitantes durante "as quatro estações, não só no inverno".

Por ser um território de baixa densidade, Seia tem um grande legado rural com predomínio da atividade ovina e caprina, e produz anualmente à volta de 200.000 queijos sob a denominação de origem "Serra da Estrela", de leite de ovelha "bordaleira", uma raça autóctone do Parque Natural.

A reivindicação turística alcança também uma ampla rede de rotas de montanha, com a sinalização de mais de 100 quilómetros de caminhos com um total de 14 circuitos.

"São um grande polo de atração, já que estão ligados com o potencial ambiental e os turistas podem percorrê-los com bicicletas BTT, praticando 'running' ou passeando", argumentou Camelo.

Um dos exemplos é a dura corrida "Ultra Trail Serra da Estrela", que a cada junho reúne em Seia centenas de atletas ibéricos que competem em alta montanha para levar a menção honorífica de "Viriato", em lembrança do guerreiro da Lusitânia que lutou contra os romanos.

A cultura também ocupa um lugar destacado na oferta turística de Seia, acrescentou Camelo, com o Festival Internacional CineEco, que cumpriu 25 edições e reúne os últimos filmes sobre meio ambiente.

Além disso, os responsáveis do Parque Natural Serra da Estrela trabalham para obter o título de Geoparque UNESCO, algo que esperam conseguir durante 2019.

Esta região é além disso uma referência da Península Ibérica em turismo de saúde e bem-estar, apontou o regedor, com sete spas com um alto nível de ocupação, sobretudo por turistas estrangeiros.

No entanto, Camelo admitiu que "há muito ainda por fazer em matéria de cooperação luso-espanhola, sobretudo para eliminar as barreiras internas".

Fomentar a mobilidade e criar condições para que os moradores queiram continuar a viver nestes territórios de fronteira são "essenciais" para conseguir uma coesão económica, social e cultura, concluiu Camelo.

Carlos García