EFELisboa

A companhia aérea portuguesa TAP, que no primeiro semestre de 2020 multiplicou as suas perdas por cinco face a 2019, até aos 582 milhões de euros, vai adiar a aquisição de 15 aeronaves à Airbus de modo a poupar 856 milhões de euros.

A empresa portuguesa explicou esta terça-feira em comunicado que renegociou com a Airbus a entrega de 13 aviões modelo A320neo e dois A330neo, cujo prazo de aquisição finalizava em 2022, para 2024 e 2027, respetivamente.

A TAP atravessa uma grave crise acentuada pela pandemia, que provocou uma caída de 62% no número de passageiros no primeiro semestre a respeito do período homólogo de 2019 e um desabe nas receitas por venda de bilhetes de 57,2%, cerca de 730 milhões de euros.

A crise levou o Governo português a intervir e aumentar a participação do Estado de 50% a 72,5%, enquanto 22,5% se mantém em mãos do empresário luso Humberto Pedrosa e o 5% restante corresponde aos trabalhadores.

O acordo previu também uma injeção de capital de 1.200 milhões de euros, parte dos quais foram já recebidos pela companhia, agora presidida por Ramiro Sequeira.

A companhia aérea está a preparar um plano de restruturação que deve entregar à Comissão Europeia antes de 10 de dezembro e que poderá levar a uma redução do número de trabalhadores.