EFELisboa

A Direção Geral da Saúde (DGS) de Portugal pediu à população que tenha viajado recentemente à África austral ou países onde se tenham detetado casos da variante Ómicron um maior autocontrolo caso tenha sintomas e que contacte com as autoridades sanitárias nesse caso.

A diretora da entidade, Graça Freitas, destacou esta segunda-feira numa entrevista com a emissora de rádio "TSF" que a população deve manter as medidas de precaução implementadas desde que o começo da pandemia, como lavar as mãos, distanciamento social, o uso de máscara e redução das interações sociais.

Estas declarações chegam depois do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA) ter confirmado que as treze amostras de covid dos futebolistas do Belenenses são da variante Ómicron, os primeiros casos detetados no país.

"Os vírus não conhecem fronteiras", ressaltou Freitas, que reconheceu que embora o vírus esteja mais controlado pela vacinação, "há muitas pessoas que não estão vacinadas", "podem surgir novas variantes" e "todos estamos em contato".

"Sempre dissemos que a pandemia não tinha acabado", ressaltou, pelo que defendeu que é preciso ser mais exaustivos e controlar estes primeiros casos para que esta nova variante não se propague.