EFELisboa

A arte urbana portuguesa, que alcançou na última década fama mundial, será protagonista durante esta semana no festival Muraliza de Cascais, que arranca hoje e que procura promover a criação de novas obras nas paredes da cidade.

Esta cidade, a cerca de trinta quilómetros de Lisboa, pretende "reforçar o seu estatuto como berço das expressões artísticas populares" do país, segundo explicou a organização do festival em comunicado.

Desde hoje até ao próximo 6 de julho, passarão por Muraliza oito artistas tanto portugueses como internacionais que atuarão em diferentes suportes nas ruas, esquinas e edifícios da cidade.

O argentino Bosoletti e o italiano Millo acompanharão os criadores portugueses Third, Samina, Mário Belém, Carmelino, Altura e o cascalense Add Fuel, especializado em interpretar os tradicionais azulejos lusos sobre mobília urbana moderna.

Samina oferecerá ainda um curso baseado na técnica de graffiti com "stencil", que incluirá um percurso pelos artistas que melhor uso fizeram desta forma de trabalho e uma experiência de trabalho prático com "stencil" para os participantes.

As oficinas e visitas guiadas para curiosos também farão parte do programa do festival de murais, um evento comissariado por Mário Belém e Lara Seixo Rodrigues, arquiteta e artista promotora de diferentes iniciativas em torno da arte urbana em Portugal.

Muraliza é produzido pela associação artística Mistaker Maker, e faz parte do Festival Internacional de Cultura de Cascais com patrocínios privados e financiamento da câmara da cidade.