EFEPequim

O cientista chinês Liu Shanghe sobreviveu a 71.000 volts de eletricidade estática como parte de uma experiência com a qual pretendia medir quanta voltagem deste tipo o corpo humano é capaz de suportar, informou hoje o Diário do Exército.

"No que se refere à investigação sobre a eletricidade estática nunca pensei em dar-me por vencido", disse o investigador em declarações ao jornal militar.

O cientista chinês começou a sua investigação sobre a incidência da eletricidade estática no corpo humano em 1983, quando trabalhava na Escola de Engenharia de Artilharia de Hebei (nordeste), perante o elevado número de mortes causadas por descargas elétricas.

Liu sobreviveu a mais de 70.000 volts a passar pelo seu corpo, apesar de especialistas terem apontado anteriormente que o ser humano podia aguentar um máximo de entre 20.000 e 50.000 watts de eletricidade estática, intensidades que poderiam ser letais.

Os numerosos testes que fez em si próprio durante mais de cinquenta anos provocaram "efeitos secundários para a sua saúde", como a redução do seu peso ou do seu nível de glóbulos vermelhos, agora muito abaixo dos níveis recomendados.

Segundo o jornal, estas investigações são de grande utilidade para os militares, já que revelam como a eletricidade estática nas pessoas pode afetar a explosão de determinados projéteis de artilharia.