EFEÁmsterdam

O Instituto Internacional de Filosofia de Ámsterdam (ISVW) oferece um curso sobre o significado do "Mein Kampf" (A minha luta) de Adolf Hitler, um livro proibido na Holanda até faz um ano, para "resolver dúvidas" relativas à ideologia nazi.

"O debate deve acontecer numa linha correta. Necessitamos saber que há nesse documento. É o único livro que esteve proibido durante a história de pós-guerra dos Países Bajos", afirmou o diretor do programa, Erno Eskens.

Vender cópias do livro de Hitler nos Países Bajos era ilegal desde a década de 1980, mas a princípios deste ano o Tribunal Supremo respaldou a um antiquário de Ámsterdam que pôs cópias à venda para "disseminar o ódio".

Um tribunal alegou que a liberdade de expressão só pode argumentar-se quando existe "uma necessidade social urgente", mas a Procuradoria interpôs um recurso perante o Supremo, que terminou dando o seu respaldo ao vendedor.

A Corte Suprema considerou que o livro, como fonte histórica de pensamento antissemita, também desempenha um papel importante no debate social sobre o anti-semitismo e na luta contra o ódio.

Por isso, e com a idéia clara que o livro só se usará como fonte histórica, o curso recebeu o respaldo do Centro Holandês de Informação e Documentação sobre Israel, que promove também uma "boa tradução acadêmica" do "Mein Kampf", bem como a sua forma de ver a Alemanha, a raça e a política.

Uma dezena de importantes historiadores dividem este curso, que tem um preço de 1.000 euros e cuja primeira edição se está realizando desde mediados de dezembro.