EFELondres

Um grupo de cientistas descobriu no oceano Índico, sob as águas das ilhas Maurício, restos de um antigo continente chamado Gondwana que se desintegrou há 200 milhões de anos.

O descobrimento, publicado esta semana na revista britânica Nature Communications, aconteceu a partir da descoberta sobre a superfície das ilhas de um mineral denominados zircónio de há 3.000 milhões de anos.

Os especialistas constataram que não era normal encontrar restos deste antigo mineral, que se produz principalmente em rochas dos continentes, sobre a superfície de uma ilha muito mais jovem, de há nove milhões de anos.

Concluíram portanto que os restos encontrados no oceano Índico são um pedaço de crosta que posteriormente foi coberto por lava durante as erupções vulcânicas na ilha.

O estudo, realizado pelo geólogo Lewis Ashwal, da Universidade de Witwatersrand (Johanesburgo), Michael Wiedenbeck, do Centro Alemão de Investigação para as Geociências (GFZ) e Trond Torsvik, da Universidade de Oslo, sustenta que os restos de zircónio são demasiados antigos para pertencer as ilhas Maurício.

Portanto, estão convencidos que se trata de uma pequena peça do continente antigo que se rompeu desde a ilha de Madagáscar, quando África, Índia, Austrália e a Antártida se separaram e formaram o oceano Índico.

Segundo Ashwal, o fato de se ter encontrado zircónio dessa idade demonstra que nas Maurício "existem materiais da crosta terrestre muito mais antigos, que só puderam originar-se num continente".

De acordo com os resultados, sustenta-se que a ruptura não implicou "uma simples divisão do supercontinente Gondwana", mas sim uma "fragmentação complexa que aconteceu com fragmentos de crosta continental de tamanhos variáveis deixados à deriva dentro da bacia do oceano Índico em evolução".

O geólogo explica que o zircónio é um mineral que contêm plantas de urânio, tório e chumbo e, ao sobreviver muito bem ao processo geológico, contêm um rico registo de processos geológicos e podem datar-se com grande precisão.

Este descobrimento arroja nova luz sobre os mecanismos das placas tectónicas e sobre os jovens epicentros oceânicos.