EFELondres

Com doze nomeações, o filme "The Favourite" do grego Yorgos Lanthimos parte como favorito na 72ª edição dos prémios de cinema BAFTA, junto a "Roma", do mexicano Alfonso Cuarón, que compete em sete categorias, anunciou hoje a organização em Londres.

O filme de Cuarón, que levou o Leão de Ouro de Veneza e que acaba de ganhar dois Globos de Ouro -a melhor filme e melhor realizador-, concorre nos BAFTA nas categorias de melhor filme, filme estrangeiro, realização, guião original, fotografia, montagem e design de produção.

Enquanto o filme de Lanthimos está nomeado a melhor filme, realização, guião original, fotografia, atriz -Olivia Colman-, atriz secundária -Rachel Weisz e Emma Stone-, design de produção, montagem, filme britânico, vestiário e cabelo e maquilhagem.

O filme de Cuarón, o primeiro da plataforma digital Netflix a estar nomeado a estes prémios, está empatada em candidaturas com "Bohemian Rhapsody", "First Man" e "A Star is Born" -a estreia de Bradley Cooper como realizador-, enquanto "Vice" concorre a seis e "BlaKkKlansman" a cinco.

Segundo a lista difundida pela Academia Britânica das Artes Cinematográficas e da Televisão (BAFTA), escolhida pelos seus 6.500 membros, são candidatos a melhor filme "Roma"; "A Star is Born"; "BlacKkKlansman", "The Favourite" e "Green Book".

Competem pelo prémio de melhor realizador Cuarón, Lanthimos e Cooper, junto ao polaco Pawel Pawlikowski ("Cold War") e, pela primeira vez, Spike Lee, por "BlacKkKlansman".

Na categoria de melhor atriz estão Glenn Close pelo seu papel em "The Wife"; Lady Gaga pelo seu trabalho com Cooper; Melissa McCarthy por "Can you ever forgive me?"; Viola Davis pela sua interpretação em "Widows" e a britânica Colman, que ganhou um Globo de Ouro pela sua interpretação da rainha inglesa Anne em "The Favourite", papel pelo que já levou a Coppa Volpi de Veneza.

Os nomeados a melhor ator são Cooper pelo seu papel de músico atormentado em "A Star is Born"; Christian Bale, por "Vice"; Rami Malek, na pele de Freddy Mercury em "Bohemian Rhapsody"; Vigo Mortensen ("Green Book") e Steve Coogan, que encarna o comediante inglês Stan Laurel em "Stan & Ollie".

Como melhores atrizes secundárias concorrem Emma Stone e Rachel Weisz por "The Favourite"; Amy Adams ("Vice"), Claire Foy ("First Man") e Margot Robbie por "Mary Queen of Scots".

Os seus equivalentes em masculino são Adam Driver ("BlacKkKlansman"), Mahershala Ali ("Green Book"), Richard E. Grant ("Can you ever forgive me?"), Sam Rockwell ("Vice") e o jovem Timothée Chalamet, por "Beautiful Boy".

Disputam o melhor guião original "Cold War", "Green Book", "Vice", "Roma" e "The Favourite", que é também candidato a melhor filme britânico junto a "Bohemian Rhapsody", "McQueen", "Stan & Ollie" e "You Were Never Really Here".

"Fantastic Beasts: The Crimes of Grindelwald", escrito e produzido pela autora de Harry Potter, J.K. Rowling, está nomeado ao prémio de melhores efeitos especiais; enquanto "A Star is Born" e "Mary Poppins Returns" competem por melhor música.

Os candidatos a melhor filme em idioma não inglês são "Capernaum" (Líbano), "Cold War" (Polónia), "Dogman" (Itália), "Roma" (México) e "Shoplifters" (Japão).

Apesar do protagonismo ao movimento "MeToo" contra o assédio sexual no cinema do anúncio dos nomeados de 2019, por parte dos atores britânicos Hayley Squires e Will Poulter, este esteve marcado pela ausência das candidaturas femininas na categoria de melhor realização.

Também surpreendeu a ausência da sequela de Mary Poppins, protagonizada por Emily Blunt, num prémio grande, tal como "Mary Queen of Scots", com a popular Saoirse Ronan. Já "Mamma Mia! Here we go again" foi totalmente excluída.

Outro grande ausente na lista de nomeações, com apenas uma como melhor atriz para Davis, foi o filme "Widows", do londrino Steve McQueen. Além disso, destaque para as ausências de "Colette", protagonizada por Keira Knightley, e o drama histórico "Peterloo", do realizador inglês Mike Leigh.

Os prémios BAFTA, o evento cinematográfico mais importante antes dos Óscares de Hollywood, vão ser entregues a 10 de fevereiro numa cerimónia no Royal Albert Hall de Londres.

Judith Mora