EFEWashington

Uma das supostas vítimas sexuais do milionário Jeffrey Epstein, quem se suicidou na prisão o mês passado, acusou nesta sexta-feira ao príncipe Andrés de Inglaterra de ter abusado dela quando tinha 17 anos.

A mulher, Virgínia Roberts Giuffre, uma das perto de 30 que deu um passo à frente para contar frente a um juiz a sua experiência com Epstein, deu hoje uma entrevista à cadena americana NBC para detalhar o seu encontro com o príncipe Andrés.

Além da Epstein e ao príncipe, Giuffre implicou a Ghislaine Maxwell, sócia do principal acusado nesta trama e que segundo testemunhos recrutava a menores de idade para a sua rede.

"A primeira vez em Londres, eu era tão jovem, Ghislaine me despertou pela manhã e me disse 'hoje vais a conhecer a um príncipe'", relatou a mulher na entrevista.

"O que não sabia nesse momento - acrescentou - é que me iam a traficar a esse príncipe".

Segundo o seu testemunho, o príncipe Andrés as recolheu essa noite na casa de Maxwell e saíram de festa também com Epstein ao clube Tramp de Londres, que ainda existe, onde dançaram na seção VIP, e a ela lhe deram vodka de beber.

À hora de retornar, Giuffre se subiu ao mesmo veículo que Maxwell, quem lhe disse que o príncipe Andrés as ia a seguir acompanhando.

"Ghislaine me disse 'ele retorna a casa, e quero que faças o mesmo que fazes a Epstein", explicou Giuffre.

A CNN consultou sobre esta nova acusação à Casa Real britânica, que a classificou de "falsa e sem fundamento".