EFELisboa

A Liga portuguesa fecha hoje a sua primeira metade com três firmes candidatos ao título, o Porto, Sporting e Benfica, separados por apenas cinco pontos após dezessete jornadas disputadas.

Os três aspirantes, que já completaram a primeira volta, dominaram a competição e tanto o Porto como o Sporting seguem invictos, enquanto que a última derrota do Benfica foi à sexta jornada, há mais de três meses, quando perdeu no campo do Boavista (2-1).

Após quatro anos consecutivos de domínio do Benfica, a Liga portuguesa não seguiu a tendência de outros grandes campeonatos europeus esta temporada, nos quais Barcelona, Bayern de Munique, Manchester City e Paris Saint-Germain deixaram as suas respetivas competições praticamente seladas antes do Natal.

O Porto, atual líder, parte como favorito para a segunda volta, já que os seus registos desde a chegada ao banco de Sérgio Conceição são praticamente exímios: catorze vitórias, três empates, nenhuma derrota e uma média de quase três golos marcados por jogo.

Apesar de não liderar com tanta comodidade como esperaria após perder apenas seis pontos, a história recente dá como favoritos os azuis e brancos, que triunfaram no campeonato nas últimas sete vezes que se proclamaram "campeão de inverno" em isolado.

Iker Casillas foi um dos principais nomes desta primeira volta ao passar de indiscutível -só falhou o último jogo da época passada- a não disputar nem um encontro da liga desde a oitava jornada, quando jogou os noventa minutos no empate a 0 contra o Sporting.

No entanto, a titularidade do português José Sá em detrimento do guarda-redes espanhol não afetou o rendimento da equipa, que tem a melhor defesa da Liga com nove golos encaixados.

Além disso, a equipa dirigida por Conceição tem a honra de ser a única portuguesa que superou a fase de grupos da Liga dos Campeões, onde vai enfrentar nos oitavos de final o Liverpool, já sem a sua estrela Coutinho, recentemente transferido ao Barcelona.

No Sporting, a dois pontos do Porto, mantêm-se as esperanças de conseguir o título, algo que não conseguem desde a temporada 2001-2002, graças em boa parte aos 42 golos anotados então pelo avançado brasileiro Mário Jardel.

O Sporting manteve o pulso quando parecia que o Porto podia escapar, e apenas o empate 'in extremis' da semana passada no campo do Benfica (1-1) impediu que o conjunto lisboeta acabasse a primeira metade do campeonato empatado com o líder.

O holandês Bas Dost volta a ser a grande referência do Sporting na sua segunda temporada no clube ao anotar 16 golos, incluindo um "hat-trick" no último jogo contra o Marítimo (5-0).

Com Jorge Jesus ao comando, a equipa verde e branca desenvolveu um estilo de jogo direto que a tornou num conjunto muito regular que apenas sofreu duas derrotas na Liga dos Campeões contra equipas muito superiores, o Barça e a Juventus.

O complicado grupo que lhe calhou na máxima competição continental levou a que os lisboetas tenham que disputar a Liga Europa, na qual se vão cruzar nos 16-avos com o cazaque Astana, rival teoricamente inferior.

Após quatro anos de domínio absoluto no futebol português, o Benfica viu como os seus dois históricos rivais recuperaram terreno e deverá lutar mais do que o previsto para conseguir um novo campeonato, que seria o quinto consecutivo e 37 no total.

Contudo, o rendimento das "águias" caiu consideravelmente e deu uma imagem muito pobre tanto na Taça, na qual caiu nos oitavos, como na Liga dos Campeões, da qual foi eliminado na fase de grupos ao perder os seis jogos.

As eleminações em ambas competições, bem como da Taça da Liga -um troféu menor- podem favorecer a equipa lisboeta, já que os seus rivais têm que prestar atenção a outras competições.

Mas por enquanto o Benfica não aproveitou os seus duelos diretos contra o Porto e Sporting, embora tenha conseguido empates quando parecia que se iam embora com as mãos vazias.

Especialmente dramático foi o clássico frente ao Sporting, no qual empataram no último minuto de penálti apesar dos 24 remates que fizeram.

A melhor notícia esta temporada para os "encarnados" está a ser o grande nível do avançado brasileiro Jonas, melhor marcador do campeonato com 20 golos, metade dos quais conseguiu o Benfica esta época.

Após uma temporada na qual rendeu abaixo do que o esperado devido a uma lesão que o afastou três meses e meio da competição, o ex-jogador do Valência, de 33 anos, está a mostrar o seu maior nível de consistência e marcou em catorze das últimas quinze jornadas.

Três candidatos, dezessete jornadas e um título em jogo. Se os adversários decidem alargar a batalha até às últimas jornadas, a Liga portuguesa será das poucas que poderá presumir de não conhecer o seu campeão até maio.

Jordi González