EFELisboa

O futebol português, diariamente envolvido em cem mil batalhas que alimentam a rivalidade entre os clubes, declarou trégua e lançou uma "onda" de solidariedade para apoiar o jogador do Vitória de Setúbal Nuno Pinto, a quem foi detetado um linfoma inguinal.

Pinto é um dos capitães da equipa de Setúbal, clube com 108 anos de história que iniciou, junto com este defesa português, uma luta comum de combate ao cancro.

Um dos primeiros a reagir foi o recém chegado ao futebol português Marcel Keizer, treinador do Sporting, que disse alto e claro em conferência de imprensa que "o futebol é muito bonito, mas há coisas mais importantes".

Keizer quis desta maneira apoiar Nuno Pinto, depois desta semana, junto a todo o balneário e direção do seu clube, ter anunciado que se ia afastar temporariamente dos campos.

Pinto prefere por enquanto manter a calma relativamente ao exame médico que vai determinar a gravidade do linfoma.

O seu último jogo foi na semana passada contra o Benfica, clube que lançou uma das primeiras mensagens de apoio: "Temos a convicção que Nuno Pinto saberá vencer esta batalha. Estamos juntos".

Oliver Torres, jogador espanhol do Porto, este ano uma das referências dos dragões, deixou no Twitter uma mensagem que reza "há muito futebol e muita vida que te esperam".

O clube de Setúbal, um dos fundadores da atual Liga portuguesa, mostrou a sua alegria pelas contínuas mensagens que lhe chegam em apoio de Nuno Pinto.

Estas vêm do presidente da Liga, dos responsáveis da Federação Portuguesa de Futebol, do Sindicato de Jogadores e, sobretudo, de adeptos de todos os clubes e, inclusive, de outros países.

Acima da rivalidade futebolística fica o companheirismo entre fãs, tais como os do Braga, que levou para o estádio cartazes de apoio a Nuno Pinto.

Ou a camisola com o número 21 (o de Pinto) assinada por todos os jogadores do Sporting para entregar ao jogador, que entre 2012 e 2015 emigrou para jogar em clubes da Bulgária, Ucrânia ou Roménia.

Face à avalanche de mensagens, Pinto decidiu responder a todos através da sua conta do Facebook, onde assegura que este é o jogo mais importante da sua vida, pedindo desculpas por não poder responder a cada um individualmente.

Nas suas mensagens online transmitiu otimismo e esperança no combate à sua doença e anunciou que quer regressar aos campos o mais rápido possível.

Mesmo assim, o anúncio foi um duro golpe para todo o plantel, segundo afirmaram os dirigentes do Vitória de Setúbal durante um comparecimento público, no qual todos os jogadores se colocaram junto a Nuno Pinto enquanto este anunciava a sua pausa.

Só haverá um resultado final, "a vitória", concluía Nuno Pinto na sua mensagem dirigida a todos os que o estão a apoiar.

Carlos García